You are currently viewing Talibã quer confiança do mundo, para isso, precisará fazer escolhas difíceis
O porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, fala em sua primeira entrevista coletiva, em Cabul, Afeganistão, na terça-feira, 17 de agosto de 2021.

Talibã quer confiança do mundo, para isso, precisará fazer escolhas difíceis

Atenção agora está voltada para a possibilidade de traduzir seus rápidos ganhos militares em uma vitória política

“Queremos que o mundo confie em nós.” Na primeira coletiva de imprensa do Talibã desde que assumiu o controle do Afeganistão, esta mensagem tinha o objetivo de dissipar os temores do que um retorno ao poder poderia significar para o país.

Na esteira da impressionante varredura do Talibã no Afeganistão, a atenção agora está voltada para a possibilidade de traduzir seus rápidos ganhos militares em uma vitória política.

Combatentes do Talibã

Isso exigiria a negociação de um sistema de governo que pudesse alcançar legitimidade doméstica e internacional. A liderança experiente da mídia do movimento tentou minimizar os temores do retorno de seu antigo regime repressivo.

No entanto, o Talibã ainda não definiu um sistema político alternativo, além de oferecer vagas promessas de perdão para o governo e militares e que as mulheres poderiam continuar a participar da sociedade de acordo com a lei sharia.

Em Cabul, que permanece sob os olhares atentos do mundo, o grupo mostrou grande moderação ao realizar uma campanha ativa na mídia.

No entanto, há relatos de execuções sumárias, assassinatos por vingança de oficiais do governo e soldados, casamentos forçados de meninas com combatentes do Talibã. Além disso, interrupções nas comunicações provenientes de outras províncias.

Quem são os Talibãs?

O Talibã surgiu pela primeira vez em 1994 durante a anarquia e a guerra civil que se seguiu ao colapso do governo pró-soviético do presidente Najibullah em abril de 1992.

Quando assumiu controle de Cabul, o movimento torturou e matou o presidente, pendurando seu corpo e declarando novo governo, o Emirado Islâmico do Afeganistão.

O grupo atraiu manchetes internacionais pela repressão violenta de mulheres e minorias como os Shi’a Hazaras, restrição de todos os direitos civis e políticos. Como resultado, proibiu mulheres e meninas de frequentar as escolas e ingressar no mercado de trabalho, proibiu música e fotografia.

O Emirado Islâmico do Afeganistão era liderado pelo mulá Muhammad Omar, figura religiosa local sem nenhuma reputação notável na lei islâmica ou na política afegã.

Embora o Talibã buscasse principalmente estabelecer seu domínio sobre o Afeganistão, também atraiu muitos grupos jihadistas estrangeiros – principalmente a Al-Qaeda de Osama bin Laden. Após a desintegração da União Soviética, esses grupos mudaram seu foco para o oeste, particularmente os Estados Unidos, como seu principal inimigo.

Ft: sluff